Revolução Industrial

Revolução Industrial foi um conjunto de mudanças no setor produtivo industrial da Europa, nos séculos XVIII e XIX, acelerando assim a industrialização do Mundo. A principal particularidade dessa revolução foi a substituição do trabalho artesanal pelo trabalho assalariado e com uso de máquinas. E, devido aos avanços tecnológicos que temos presenciado, dizemos que a terceira e última fase da Revolução se estende até hoje.

revolução industrial = industrialização acelerada, evolução da ciência, novas tecnologias

É dividida em 3 fases:

Primeira Revolução Industrial

(ou primeira fase da Revolução Industrial):

Foi um novo modelo de produção industrial que ocorreu na Inglaterra (“a oficina do Mundo”), entre 1760 e 1860 (séc. XVIII).

Foi marcada por invenções que modificaram os setores de transporte e de produção:

A ciência descobriu a utilidade do carvão como fonte de energia, criando a locomotiva a vapor e a máquina a vapor.

• A locomotiva (movida a carvão) dinamizou o setor de transporte. Foi criada em 1804 e aprimorada em 1812.

• A máquina a vapor (movida a carvão) dinamizou o setor de produção: dinamizou primeiramente o setor de produção têxtil, que antes era artesanal, criando indústrias de algodão que usariam a invenção do tear mecânico.

Isso, porém, proporcionou muito emprego e produtividade na cidade grande, que somados ao enclosure (cercamento: processo de extinção dos campos abertos ou open fields) provocaram intensa urbanização (êxodo rural: migrar do meio rural para o meio urbano). Dessa forma, algumas cidades europeias aumentaram 3 vezes o número populacional em 50 anos, as cidades não absorveram o fluxo de pessoas de forma planejada e surgiram bairros marginalizados compostos por trabalhadores pobres.

Tudo isso modificou a configuração da paisagem urbana.

O aprimoramento das máquinas a vapor permitiu a continuação da revolução. Nisso, a eletricidade passou a ser intensamente utilizada, mas por enquanto apenas no desenvolvimento de pesquisas laboratoriais. E logo outros países começaram a ingressar na revolução: EUA, Alemanha, Rússia, França, Bélgica, Países Baixos (ou Holanda).

Segunda Revolução Industrial

(ou segunda fase da Revolução Industrial):

Foram mudanças e aprimoramentos do modelo industrial anterior. A partir de 1870, uma nova onda tecnológica marcou a chamada Segunda Revolução Industrial, que se espalhou para Europa, América e Ásia: EUA, Japão, Itália, Alemanha, Rússia, França, Bélgica (o primeiro país a se industrializar após a Inglaterra). Se estendeu até 1900 (séc. XIX).

Estipulou a aceleração do ritmo industrial e a exploração de novos mercados.

• A eletricidade e o petróleo proporcionaram a aceleração do ritmo industrial.

• A química também ajudou, passando a explorar novos mercados: aproveitou vários minérios na obtenção de matérias-primas e maquinários, como o aço e o alumínio (resistentes e maleáveis). Além disso, passou a usar o ácido sulfúrico e a soda cáustica para a fabricação de borracha, papel e explosivos em larga escala. Os cientistas se empenhavam principalmente em reduzir custo e tempo de fabricação dos produtos de alta demanda.

De modo geral, a energia e o aço permitiram meios de locomoção mais ágeis e baratos. A construção de estradas de ferro foi o ramo de transporte que mais cresceu (nessa época, Europa e EUA tinham juntos cerca de 200 mil quilômetros de trilhos construídos). Na década de 1860, mais de 2 milhões de pessoas eram empregadas na manutenção do trem e suas estradas.

Principais inovações desse período:

• eletricidade para todos: substituiu o vapor (de carvão) por ser mais barata e possibilitar transmissão de energia a longas distâncias. Em 1879, a criação da lâmpada elétrica incandescente (pelo inventor, cientista e empresário estadunidense Thomas Alva Edison) revolucionou o sistema de iluminação dos grandes centros urbanos e industriais da época.

• motor a explosão/combustão: o petróleo, antes usado somente para iluminação, passou a ser útil no motor a explosão/combustão.

• corantes sintéticos

• telégrafo

• foi criado o barco a vapor, e a locomotiva a vapor foi aprimorada no processo de criação

Com isso, puderam dinamizar e organizar a indústria, lucrando cada vez mais com ela.

Dessa forma, o capitalismo rompeu novas fronteiras e incidiu diretamente na economia mundial.

Terceira Revolução Industrial 

(ou terceira fase da Revolução Industrial)

Foram mudanças e aprimoramentos do modelo industrial anterior. Se expandiu para quase o Mundo inteiro, priorizando o capitalismo e se estendendo até a atualidade (séc. XX e séc. XXI).

Houve o advento de novas tecnologias, organizações industriais e formas de produção.

• Os avanços nos ramos da indústria química, da indústria eletrônica, da engenharia genética e da robótica proporcionaram o advento de novas tecnologias. Houve expansão dos meios de comunicação por meio de invenções como o computador, o fax e o celular.

• O aparecimento de conglomerados industriais e multinacionais representou o advento de novas organizações industriais. Explodiu, inclusive, a sociedade de consumo de massas (que se tornou o chamado ‘consumismo’).

• Surgiu a produção automatizada e em série, representando o advento de novas formas de produção.

Pessoas importantes:

• Karl Marx (1818-1883): Economista, filósofo e socialista alemão, conhecido como “o idealizador do comunismo” ou “o criador do socialismo científico”. Defendia a ideia de que a classe trabalhadora deveria se unir para derrubar os capitalistas e aniquilar de vez a característica abusiva desse sistema que, segundo ele, era o maior responsável pelas crises cada vez mais intensificadas pelas grandes diferenças sociais. “Para ele, os fatos econômicos e a luta de classes são o motor da História; o triunfo do proletariado e a implantação de uma sociedade sem classes são o objetivo final. Esse objetivo, contudo, só será alcançado com a união de todos os proletários.”

• Thomas Robert Malthus (1766-1834): Economista inglês, criador do Princípio da População, que exaltava o problema da superpopulação mundial, afirmando que a população crescia em progressão geométrica enquanto a produção de comida crescia em progressão aritmética. Assim, era a favor de doenças, guerras, epidemias, fome e pestes a fim de reduzir o contingente populacional, especialmente na camada pobre. O Princípio da População atenderia ao que já preocupava os economistas europeus do séc. XVIII, mas não levou em conta a então Revolução Industrial que transformava também o meio agrícola e poderia amenizar o problema gerando mais comida. Por isso, hoje o princípio é contestado; mas a teoria de Malthus teve seu lado bom: fez com que os estudiosos passassem a examinar a demografia mundial como um fator variável e determinante. A obra influenciou até mesmo Charles Darwin a escrever ‘A Origem das Espécies’.

• David Ricardo (1772-1823): Economista inglês nascido em Londres, criador da teoria da lei de ferro dos salários. Era contrário ao mercantilismo* e a favor do livre mercado (para que assim cada país se especializasse na fabricação dos produtos nos quais tivesse vantagem comparativa, também chamada de ‘sistema de custos comparativos*’). Defendia salários baixos (apenas para subsistência) dos trabalhadores, a fim de que esses não lucrassem.

*mercantilismo: política econômica adotada na Europa durante o Antigo Regime, cujo principal objetivo era alcançar o máximo possível de desenvolvimento econômico através do acúmulo de riquezas (como metais preciosos) para que os reinos demonstrassem grande poderio.

*sistema de custos comparativos: encontrar funções comerciais para os países de forma que eles se beneficiem da divisão de tarefas, sem grandes desigualdades econômicas. Ex.: O país A pode produzir vinho e tecido muito bem, enquanto o país B pode produzir vinho muito bem e tecido relativamente bem. Sendo assim, eles podem estabelecer uma divisão de tarefas que beneficie ambos: o país A produz tecido e o exporta para outros países; e o país B produz vinho e o exporta para outros países. E no fim, por meio de uma troca voluntária de bens e serviços, ambos estarão em uma condição muito melhor do que se conduzissem essas mesmas atividades por conta própria. Ou seja, é dividir o trabalho de acordo com suas vantagens comparativas. Funciona assim: quando algum país possui vantagem absoluta (como o país A), e outro país possui vantagem relativa (como o país B), eles comparam suas vantagens e seus potenciais de modo a estabelecer suas vantagens comparativas, e assim criam um sistema de custos comparativos.

A questão da Inglaterra:

Por que a Inglaterra foi a pioneira na Revolução?

Fatores que fizeram da Inglaterra o berço propício à eclosão da Revolução Industrial:

• As condições sociais e políticas da época eram favoráveis.

• Se tornou o maior centro capitalista da época com a criação do Banco da Inglaterra.

• O ‘sistema corporativo*’ não chegara a se enraizar desde a Idade Média.

• O trinfo da ideologia liberal no país.

• A hegemonia marítimo-comercial do país. Tal hegemonia foi concretizada quando a Inglaterra decretou os Atos de Navegação.

• A supremacia naval inglesa assegurava o controle das rotas de distribuição de mercadorias. A propósito, a supremacia marítima e comercial da Inglaterra foi um dos fatores decisivos para o processamento da Revolução Industrial, já que assegurava o mercado para as manufaturas e impunha a diminuição de seus custos de produção.

Revisando:

revolução industrial = industrialização acelerada, evolução da ciência, novas tecnologias, inovações

Primeira Revolução Industrial (1760-1860):

Local: Inglaterra.

Inovações: Carvão como fonte de energia, máquina a vapor, início do processo de criação da locomotiva. Modificou a paisagem urbana.

Segunda Revolução Industrial (1870-1900): 

Local: Inglaterra, EUA, Japão, Itália, Alemanha, Rússia, França, Bélgica.

Inovações: Aceleração do ritmo industrial; exploração de novos mercados. Eletricidade para todos; petróleo; química; aço; destaque para o ramo do transporte; motor a explosão/combustão; corantes sintéticos; telégrafos; barco a vapor; locomotiva a vapor aprimorada; dinamizar e organizar a indústria; lucrar; inserir o capitalismo na economia mundial.

Terceira Revolução Industrial (1900-atualidade):

Local: quase o Mundo inteiro.

Inovações: Novas tecnologias, organizações industriais e formas de produção; avanços em indústria química, indústria eletrônica, engenharia genética e robótica; meios de comunicação (computador, fax, celular…); conglomerados industriais e multinacionais; consumo de massas (‘consumismo’); produção automatizada e em série.

Exercícios:

01. A enclosure ou cercamento:

a) é o processo de extinção dos campos abertos (open fields), provocando o êxodo rural;
b) provocou a substituição dos grandes domínios rurais pelos pequenos, cuja rentabilidade era maior;
c) implicou uma maior concentração de mão-de-obra agrícola, ao deter a migração para as cidades;
d) foi um fenômeno exclusivo da Inglaterra, não aparecendo em nenhum outro país;
e) ocorreu somente no século XIX, em virtude da estagnação do mercado consumidor.

02. A locomotiva a vapor de Stephenson, o telégrafo elétrico de Morse e o processo Bessemer de fabricação do aço correspondem:

a) à Revolução Industrial antes de 1760;
b) à Revolução Industrial entre 1860 e 1900;
c) às inovações técnicas anteriores a 1860;
d) às inovações técnicas posteriores a 1860;
e) esses inventos ocorreram já no século XX, portanto, na 3ª Revolução Industrial.

03. “Para ele, os fatos econômicos e a luta de classes são o motor da História; o triunfo do proletariado e a implantação de uma sociedade sem classes são o objetivo final. Esse objetivo, contudo, só será alcançado com a união de todos os proletários.”

O texto acima refere-se ao criador do socialismo científico:

a) Karl Marx
b) Vladimir Lenin
c) Saint-Simon
d) Pedro Kropotkin
e) Adam Smith


04.
 O primeiro país a se industrializar na Europa depois da Inglaterra foi:

a) a França
b) a Itália
c) a Rússia
d) a Bélgica
e) a Alemanha

05. Entre os fatores que fizeram da Inglaterra o berço propício à eclosão da Revolução Industrial, podemos citar os seguintes:

a) As condições sociais e políticas da época eram favoráveis.
b) Com a criação do Banco da Inglaterra, essa nação tornou-se o maior centro capitalista da época.
c) O sistema corporativo não chegara a se enraizar desde a Idade Média.
d) A supremacia naval inglesa assegurava o controle das rotas de distribuição de mercadorias.
e) Todas as anteriores.

06. (PUCCAMP) “O produto da atividade humana é separado de seu produtor e açambarcado por uma minoria: a substância humana é absorvida pelas coisas produzidas, em lugar de pertencer ao homem.”

A partir do texto, pode-se afirmar que a Revolução Industrial:

a) produziu a hegemonia do capitalista na produção social;
b) tornou a manufatura uma alternativa para o artesanato;
c) introduziu métodos manuais de trabalho na produção;
d) tornou o homem mais importante que a máquina;
e) valorizou o produtor autônomo.

07. Podemos dizer que a supremacia marítima e comercial da Inglaterra foi um dos fatores decisivos para o processamento da Revolução Industrial porque:

a) assegurava o fornecimento de matéria-prima;
b) permitia um maior desenvolvimento técnico;
c) eliminava a concorrência francesa;
d) assegurava o mercado para as manufaturas e impunha a diminuição de seus custos de produção;
e) permitia a utilização de mão-de-obra escrava.

08. Thomas Malthus e David Ricardo distinguiram-se respectivamente por suas teorias sobre:

a) população e salário;
b) salário e lucro;
c) população e protecionismo;
d) protecionismo e salário;
e) laissez faire e leis do trigo.

09. (UERJ) Na Revolução Industrial, o pioneirismo inglês resultou de uma série de fatores, entre os quais sua hegemonia marítimo-comercial. A concretização dessa hegemonia ficou evidente quando a Inglaterra adotou a seguinte medida:

a) Decretou os Atos de Navegação.
b) Extinguiu o tráfico de escravos negros.
c) Assinou o Tratado de Methuen com Portugal.
d) Abriu os portos chineses aos navios ingleses.
e) Redefiniu o comércio com o Oriente, graças à Paz de Haia.

10. (CESGRANRIO) A Revolução Industrial transformou profundamente a ordem econômica  mundial. Suas origens na Inglaterra relacionam-se com o(a):

a) declínio da monarquia;
b) liberação de mão-de-obra da cidade para o campo;
c) triunfo da ideologia liberal;
d) fortalecimento do sistema familiar de produção;
e) fim da hegemonia marítima.

Resolução:

01. A 02. C 03. A 04. D
05. E 06. A 07. D 08. A
09. A 10. C
About these ads

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s